Volta ao Mundo em Cem Livros
“Memórias de Adriano”, o grande imperador de Marguerite Yourcenar
Ensino:

As memórias são na primeira pessoa. Adriano sabe ter chegado ao fim do seu destino e reencontra-se com a própria existência, para se julgar. O último ato do romano, do homem e do imperador, é uma longa carta, íntima e universal, dirigida ao sucessor, Marco Aurélio. O testamento nunca existiu, mas a partir desta ficção as palavras do imperador conduzem-nos a um tempo histórico e real, ao século II da era cristã, que Marguerite Yourcenar estudou demoradamente para retratar com detalhe o itinerário de uma vida excecional.

O romance chegou em 1951, resultado de um trabalho de décadas, feito de avanços e recuos. O projeto de escrever sobre um dos maiores imperadores romanos começara muito atrás, tinha Yourcenar vinte anos. Sentira-se impelida a aproximar-se do mundo de Adriano, do homem construtor da paz no grande império, que admirava a Grécia, tinha uma paixão por arquitetura e amava outro homem, Antínoo. Depois de contemplar-lhe o busto no Museu Britânico e visitar a mítica Villa Adriana, decidiu retirá-lo da sombra do tempo.

Imperador Adriano

Imaginou a obra, realizou investigações, tirou notas; porém – admitiu mais tarde – talvez fosse demasiado jovem para encontrar a voz de Adriano. O projeto foi abandonado, até cair no esquecimento. Mas um dia, a figura imperial voltou a impor-se à autora. Definitivamente. Deixamos o resto da história das Memórias de Adriano para a jornalista Alexandra Lucas Coelho contar. “Meu caro Marco”. Comecemos. 

“Orlando”, de Virgina Woolf
Veja Também

“Orlando”, de Virgina Woolf

Temas

Ficha Técnica

  • Título: Volta ao Mundo em Cem Livros
  • Tipologia: Programa Literário
  • Autoria: Alexandra Lucas Coelho
  • Produção: RTP
  • Ano: 2022