Pesquisar

Nova normalidade nas escolas

A suspensão das atividades com alunos nas escolas, devido ao COVID-19, não interrompeu o trabalho de professores e alunos. O recurso a aulas digitais é a solução mais comum, bem como a utilização de plataformas de conteúdos como o Ensina. Centenas de estabelecimentos escolares mantém as portas abertas para servir refeições e acolhimento aos filhos do pessoal hospitalar e de emergência.

Classroom, Edumodo, Kahoot, Ensina e Escola Virtual são exemplos de plataformas digitais e de conteúdos audiovisuais destinados a professores e alunos. Numa altura em que as atividades escolares estão suspensas, devido ao surto do novo coronavírus, são a solução mais prática para manter uma certa normalidade.

O padlet, referenciado nesta reportagem, permite trabalho colaborativo dentro da turma, inclusão de vídeos, ligações externas, conteúdos provenientes do Vimeo, Youtube ou Twitter. E outros, como o Zoom, facilitam a criação de aulas online, em direto para a comunidade pretendida.

Para além da continuidade pedagógica que pretende assegurar, o Ministério da Educação decidiu classificar várias centenas de estabelecimentos como “escolas de referência para o serviço de refeições e acolhimento de filhos do pessoal hospitalar e de emergência”.

A lista, em permanente atualização, está disponível na DGEstE (Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares, e pode ser consultada aqui:

Escolas de referência para o serviço de refeições e acolhimento de filhos do pessoal hospitalar e de emergência 

  • Temas: Cidadania, COVID-19
  • Ensino: 1º Ciclo, 2º Ciclo, 3º Ciclo, Ensino Secundário

Ficha Técnica

  • Título: Nova normalidade nas escolas
  • Tipo: Reportagem
  • Produção: RTP
  • Ano: 2020

A RTP utiliza cookies no seu sítio para lhe proporcionar uma experiência mais agradável e personalizada. Saiba mais aqui