O teatro do Império Romano: quando Lisboa era Olissipo
Ensino:

Felicitas Julia Olissipo. Assim se chamava Lisboa no tempo do Imperador Augusto, quando a cidade era um porto importante da província da Lusitânia. E quem chegava pelo Tejo o que primeiro via era um imponente teatro, símbolo do poder do Império.

Há dois mil anos Olisipo era o porto da capital da província da Lusitânia, Augusta Emerita – a atual Mérida -, mas tinha a importância concedida às grandes cidades romanas. O valor estava sobretudo no rio que a fazia próspera, relevante via de comunicação com uma atividade económica sustentada na abundância do peixe, vinho e azeite transportado para todo o mundo romano. Ficou a ser a terra da Felicidade, Felicitas Julia, como a nomeou Júlio César, o imperador que lhe concedeu o estatuto de município.

A Roma de Júlio César
Veja Também

A Roma de Júlio César

Como era política expansionista de Roma, os povos dominados recebiam o cunho da civilização romana: da língua à arquitetura, todos os setores eram influenciados. Durante a romanização de Olisipio, o Imperador Augusto decidiu mandar construir um teatro virado a sul, que funcionava “como marca propagandística” do Império para quem chegava à cidade pelo Tejo. Situado na encosta da colina onde está hoje o castelo de São Jorge, o edifício cénico, de estrutura semicircular, tinha capacidade para cerca de 4000 espetadores. Decorado com fustes e capitéis pintados, este era o  local onde se exibiam peças do período clássico.

Teatro grego e romano – onde estão as diferenças?
Veja Também

Teatro grego e romano – onde estão as diferenças?

Datado do século I d.C., o teatro, como grande parte de Lisboa,  “desapareceu” no terramoto de 1755. As ruínas descobertas em 1798 durante a reconstrução da cidade, acabaram esquecidas. Em poucos anos sobre elas foram construídos prédios de habitação. Só mais tarde, na década de sessenta do século XX, o que estava escondido debaixo dos pés veio à superfície. As escavações arqueológicas realizadas em várias campanhas tornaram possível a recuperação desta história da velha Olisipo, contada aqui por Lídia Fernandes, a arqueóloga que coordena o Museu de Lisboa – Teatro Romano.

 

De Olissipo a Lisboa: os vários nomes da capital
Veja Também

De Olissipo a Lisboa: os vários nomes da capital

Uma cidade romana chamada Conímbriga
Veja Também

Uma cidade romana chamada Conímbriga

Temas

Ficha Técnica

  • Título: Visita Guiada - Teatro Romano de Lisboa
  • Tipologia: Extrato de Programa Cultural
  • Autoria: Paula Moura Pinheiro
  • Produção: RTP
  • Ano: 2015