Um dia com Luís de Sttau Monteiro
Ensino:

Não cultivava a imagem de escritor, não escrevia por obrigação nem ambicionava ser conhecido. Sttau Monteiro queria ser livre para descobrir novas paixões. Corredor de automóveis, pescador, gastrónomo apurado, encenador, jornalista. E autor literário.

Era autor recente, tinha dois romances aclamados pela crítica e pelo público, quando a censura descobriu a sua primeira peça teatral e fez dele objeto de perseguição política. Luís de Sttau Monteiro, que usara da ironia e de um humor cáustico em “Um Homem não Chora” (1960) e “Angústia para o Jantar”(1961) para denunciar os tiques da classe dominante, acabara de se estrear na linguagem dramática com “Felizmente há Luar!”.

A peça em dois atos, narra o drama do general Gomes Freire de Andrade, perseguido por governantes que dominavam o povo pelo medo e pela ignorância, é distinguida com o Grande Prémio de Teatro da Associação Portuguesa de Escritores e proibida de entrar em cena. Só depois da Revolução de Abril seria oficialmente representada em Portugal. Sttau Monteiro manteve-se combativo, continuou a escrever sobre a liberdade e a denunciar injustiças. A PIDE não deixou passar uma única peça e, em 1967, após a publicação de “A Estátua” e de “A Guerra Santa”, o escritor foi preso em Caxias, durante dois meses.

Os cárceres do Império
Veja Também

Os cárceres do Império

Apesar de não se considerar um “escritor no sentido normal da palavra”, como confessa nesta entrevista realizada em 1988, Sttau Monteiro vive no meio das palavras. Além de ficcionista e dramaturgo, de encenar muitas das suas peças, foi publicitário e jornalista com crónicas assíduas nas revistas “Almanaque” e “A Mosca” (suplemento do Diário de Notícias), colaborador no “Expresso”, “O Jornal” e “Diário de Lisboa”. Escreveu também uma telenovela, “Chuva na Areia”, adaptada de um romance inédito “Agarra o Verão, Guida, Agarra o Verão”.

Considerado um dos mais importantes dramaturgos da segunda metade do século XX português, Sttau Monteiro (1926-1993) tinha na vida uma coisa sagrada “ser livre como o vento”. E foi o que fez. Da paixão dos automóveis, às pescarias e às iguarias gastronómicas, passando sempre pelos livros.

Frei Luís de Sousa, outra encenação para Garrett
Veja Também

Frei Luís de Sousa, outra encenação para Garrett

Livros e escritores censurados pelo Estado Novo
Veja Também

Livros e escritores censurados pelo Estado Novo

Temas

Ficha Técnica

  • Título: Jornal de Sábado - "Um dia com"
  • Tipologia: Reportagem com Luís de Sttau Monteiro
  • Autoria: Manuel Anta
  • Produção: RTP
  • Ano: 1988