Explicador Explicador
O Paleolítico e a relação da economia recoletora com o nomadismo
O Paleolítico e a relação da economia recoletora com o nomadismo
Ensino:

O Paleolítico, deriva da palavra de origem grega, paleo = antigo + litos = pedra, período em que surgem os primeiros instrumentos fabricados em material lítico, ou seja, em pedra. Os homens do Paleolítico viviam da recolha de frutos, sementes, bagas, raízes, ovos, moluscos marinhos, da pesca e da caça, praticando uma economia recolectora. Praticavam o nomadismo porque sempre que os alimentos escasseavam deslocavam-se para outros territórios em busca de alimento.

O período da Pré-História, de acordo com a periodização estabelecida, é um dos mais longos períodos da História da Humanidade. Subdivide-se noutros períodos, como o Paleolítico. É neste período que se inicia o processo de hominização, processo evolutivo da espécie humana – evolução física e mental. Este longo processo possibilitou que os hominídeos, que se pensa ter tido início com o Australopiteco afarensis, se fossem diferenciando, dos restantes primatas. As primeiras conquistas estarão associadas à progressiva aquisição da verticalidade e do bipedismo (deslocar-se na posição vertical e em dois pés). As mãos ficaram libertas para desempenharem outras funções, até então exercidas pelas mandíbulas, como o agarrar, defender e transportar.

Esta evolução não aconteceu de forma homogénea e ao mesmo tempo em todo o continente africano nem nos outros continentes. Com o Homo Habilis, fabricaram-se os primeiros instrumentos que se foram diversificando e tornando mais eficazes. As condições favoráveis à evolução dos hominídeos possibilitaram a expansão dos mesmos, não só em África como para outros continentes.

Imagens do paleolítico na Gruta do Escoural
Veja Também

Imagens do paleolítico na Gruta do Escoural

O domínio do fogo, associado ao Homo erectus, representa, de um modo generalizado, uma melhoria fundamental nas estratégias de sobrevivência dos hominídeos do Plistoceno. O seu controlo permitiu tratar os alimentos, higienizar, cozinhar, desparasitar, alargar as horas de luz, aquecer e afastar os animais perigosos ou indesejáveis, e terá sido um dos focos de concentração das atividades domésticas contribuindo, de maneira decisiva, para um possível desenvolvimento da linguagem articulada, criando um ambiente físico e social à volta do qual os indivíduos de todas as comunidades socializam as suas experiências.

O modo de vida dos primeiros homens está associado a uma economia recoletora que os obrigava à prática do nomadismo. A procura de alimentos ocorria de acordo com as espécies vegetais e animais existentes nas regiões em que as comunidades habitavam. Recolhiam bagas, sementes, frutos, plantas comestíveis, moluscos, ovos, e caçavam  animais de pequeno ou grande porte. Desenvolveram estratégias entre as quais o acompanhar as deslocações da manadas de animais de grande porte e, dependendo da época do ano, assim acampavam junto a rios ou lagos ou se resguardavam em abrigos naturais que os protegiam do frio e dos animais.

Com o aumento da população, a caça tornou-se fundamental para as comunidades humanas. Esta atividade implicou o desenvolvimento de estratégias em grupo, cimentando os laços sociais e a entreajuda. Os animais, para além do alimento que forneciam, também eram uma fonte de recursos para o fabrico de utensílios, vestuário, abrigos (tendas), entre outros. Tornou-se a principal atividade das comunidades de caçadores recoletores, reforçando a organização social. Desde a defesa do território de caça, à captura de animais, recoleção de alimentos, fabrico de instrumentos, de vestuário e proteção das crianças, as atividades seriam divididas de acordo com as necessidades da comunidade. Pensa-se que terá sido neste período que a diferenciação social se começou a delinear.

As criações artísticas surgiram com o Homo sapiens, traduzindo-se em objetos de adorno como pequenas estatuetas representando figura femininas ou animais, cabos para instrumentos, entre outros. Os materiais utilizados eram a pedra, chifre, osso ou marfim. A arte rupestre ou parietal era feita nas rochas, nas paredes das cavernas ou ao ar livre. A maioria das pinturas que nos chegam representam animais, mas também figuras humanas e mãos (em menor número).

Um acampamento pré-histórico no vale do Côa
Veja Também

Um acampamento pré-histórico no vale do Côa

Na fase final do Paleolítico, designado por Paleolítico Superior, os homens terão começado a organizar determinadas cerimónias que hoje associamos a ritos mágicos. A sua sobrevivência dependia da Natureza. Pensa-se que os ritos mágicos estão associados à comunicação que pretendiam fazer com as forças da Natureza para que os protegessem e lhes fossem favoráveis. Os ritos funerários associavam-se ao enterramento dos seus mortos, que aparecem normalmente em posição fetal, com objetos pessoais (adornos), alimentos e objetos relacionados com a caça. Muitos corpos estão cobertos ou apresentam pinturas com ocre. Como não há qualquer registo escrito acerca destas manifestações, os arqueólogos e historiadores deste período da História avançam com teorias de crenças na vida para além da morte.

Ainda hoje, em muitas partes do planeta o Homem recorre a formas de vida recoletoras e nómadas, dependendo das alterações climáticas, escassez de água e de alimentos.

Síntese

  • O Paleolítico terá tido início há aproximadamente 2 milhões e meio de anos até aproximadamente há 12 mil anos.
  • No lento processo de hominização ocorrido durante o Paleolítico destacam-se o Homo habilis, o Homo erectus, o Homo sapiens e o Homo sapiens sapiens (homem moderno).
  • O modo de vida dos primeiros homens está associado a uma economia recoletora que os obrigava à prática do nomadismo.

Temas

Ficha Técnica

  • Título: Definir Paleolítico; Relacionar a economia recoletora com o nomadismo
  • Tipologia: Explicador
  • Autoria: Associação de Professores de História/ Marta Torres
  • Produção: RTP/ Associação de Professores de História
  • Ano: 2021
  • Imagem: Machado de pedra, La Nava, Córdova - Juan Francisco Córdoba