Pesquisar

A história das histórias da Banda Desenhada

A banda desenhada tem as suas raízes na Europa, mas alcançou a maioridade nos EUA. Hoje é considerada a nona arte e reúne um conjunto de estilos e autores que se estendem pelo mundo.

Rodolphe Topffer, um germano-suíço, foi o primeiro a perceber as potencialidades de contar histórias através de “estampas”. Em 1833 publicou o seu primeiro livro que, décadas depois, chegou aos Estados Unidos da América.

A banda desenhada, como hoje a conhecemos, surge nos jornais nova-iorquinos do princípio do século XX. As pranchas mais conhecidas são as de Winsor McCay que coloca a sua personagem a sonhar com aventuras. “Little Nemo in Slumberland” começou a ser publicado semanalmente, no New York Herald”, em 1905, e alcançou um sucesso inesperado.

Ainda nos EUA surgem nos anos 30 e 40 personagens como Tarzan, Flash Gordon, Super Homem ou o Príncipe Valente. Rapidamente estas personagens deixam as páginas da imprensa para ganharem vida própria em revistas especializadas ou “”comics”.

Na Europa a explosão nesta área dá-se nos anos cinquenta e sessenta, especialmente no espaço franco-belga, com o surgimento de revistas especializadas e personagens como Tintin, Spirou, Blacke & Mortimer ou Lucky Luke.

Mais tarde outras personagens enriquecem o panorama da BD europeia como Corto Maltese enquanto no Japão nascem as “Manga”.

Novas formas gráficas de contar as histórias surgem ainda com obras como Spirit, 300 ou Maus, o primeiro livro de BD a receber um prémio Pulitzer.

Ficha Técnica

  • Título: Câmara Clara - História da Banda Desenhada
  • Tipo: Reportagem
  • Autoria: Luís Caetano
  • Produção: RTP
  • Ano: 2007

A RTP utiliza cookies no seu sítio para lhe proporcionar uma experiência mais agradável e personalizada. Saiba mais aqui