Pesquisar

José Régio

"Poemas de Deus e do Diabo" é o primeiro título assinado com o nome de José Régio, deixando o verdadeiro nome de batismo, José Maria dos Reis Pereira, entregue à mundanidade que a sua literatura ultrapassou, fixando-se como um marco de relevo.

A tese de licenciatura “As Correntes e as Individualidades na Moderna Poesia Portuguesa” relevava nomes praticamente desconhecidos à altura, como o de Fernando Pessoa ou o de Mário de Sá-Carneiro e a sua publicação dá-se apenas em 1941 sob o título de “Pequena História da Moderna Poesia Portuguesa”.

A atividade literária de registo inicia-se com “Poemas de Deus e do Diabo”, em 1925. Funda, juntamente com Branquinho da Fonseca e João Gaspar Simões, a revista Presença, marco do segundo modernismo português. Multiplica o nome em jornais e revistas, começa a lecionar Português e Francês num liceu do Porto e, em 1928, ruma a Portalegre, onde reside por quase quarenta anos, aí existindo, no edifício onde habitou, uma Casa Museu.

Na sua obra, assume relevo a reflexão sobre os conflitos surgidos entre Deus e o Homem, entre o indivíduo e o mundo em que se insere, coletivamente. Essa reflexão proporciona-lhe uma, por vezes dolorosa, auto-análise, que regista em literatura num tom misticista, escrevendo sobre a problemática da solidão e da complexidade das relações humanas. O seu talento estendia-se também ao gosto pelas artes plásticas, o que o levou a ilustrar os seus livros.

Recebeu, em 1970, o Prémio Nacional de Poesia. Também a sua casa de Vila do Conde, para onde foi após a reforma, figura hoje ainda como Casa Museu.

 

Ficha Técnica

A RTP utiliza cookies no seu sítio para lhe proporcionar uma experiência mais agradável e personalizada. Consulte a nossa Política de Privacidade.