Pesquisar

José Saramago sobre "As Intermitências da Morte"

«No dia seguinte ninguém morreu». A primeira frase do romance de José Saramago anuncia um novo tempo sem morte, o sonho da imortalidade subitamente concedido a homens e a mulheres de um país sem nome. Mas o autor, habituado a "manejar" absurdos, vai transformar a utopia em distopia. O que acontece a um mundo onde não é possível morrer mas onde se continua a envelhecer? Saramago responde aqui. E explica a diferença entre "matar" e "dar a morte".

Todos os livros de José Saramago partem de um absurdo, de uma impossibilidade ou, pelo menos, começam com uma improbabilidade. Este seu romance, escrito aos 82 anos, confirma a regra. Em “As Intermitências da Morte”, o autor retira a “serial killer” de funções e liberta-nos do medo de morrer. Depois de conquistada a imortalidade, o narrador habilmente explora as consequências da hipótese avançada, e progressivamente transforma o maior sonho do homem no pesadelo mais terrível.

A mudança é tão rápida e profunda que a sociedade, perigosamente, tende a ceder ao caos. O governo não sabe como pagar as pensões, a igreja não sabe como manter o rebanho unido, as famílias não sabem o que fazer com os seus velhos; só as máfias parecem preparadas para tirar partido da nova desordem. Até que a morte, depois de experimentar o amor, se “rende à evidência” que tem de voltar a matar para salvar a Humanidade.

Nesta alegoria sobre a vida e sobre a morte, Saramago coloca-nos ainda perante a angustia do camponês que, em grande sofrimento causado por uma doença incurável, pede para morrer, introduzindo desta forma os complexos e delicados temas da eutanásia e do suicídio assistido. Sem alongar-se em argumentos éticos ou morais, o Nobel da Literatura sublinha na entrevista a Ana Sousa Dias a diferença entre matar e dar a morte, uma síntese da explicação que deu a alunos de Ética e Deontologia Médica da Faculdade de Medicina.

Ficha Técnica

  • Título: Por Outro Lado
  • Tipo: Extrato de Programa - Entrevista a José Saramago, Prémio Nobel da Literatura
  • Autoria: Ana Sousa Dias
  • Produção: RTP
  • Ano: 2005

A RTP utiliza cookies no seu sítio para lhe proporcionar uma experiência mais agradável e personalizada. Saiba mais aqui