Pesquisar

Sebastião da Gama, o poeta da serra da Arrábida

Seguiu na vida a cartilha dos afectos. Poeta e professor, Sebastião da Gama fazia a pedagogia do amor. Apaixonado pela natureza, a serra da Arrábida foi fonte de inspiração na poesia e na causa ambientalista que abraçou durante a sua curta existência.

Jovem poeta, jovem professor, jovem ambientalista… na vida de Sebastião da Gama (1924-1952) aconteceu tudo muito cedo e de forma intensa. Começou a fazer poesia ainda era estudante. A todos  cativava pela generosidade e simplicidade das palavras e dos gestos. Fez o estágio para professor de português na escola Comercial Veiga Beirão, experiência letiva que narrou no seu “Diário” publicado em 1958. Defendia uma relação de proximidade entre aluno e professor, dizia que “ensinar é amar”. O longo texto, uma reflexão pedagógica, marcou gerações e é tida como exemplo a seguir, estando atualmente na décima terceira edição.

Nascido em Vila Nogueira de Azeitão a 10 de Abril de 1924, Sebastião da Gama terá problemas de saúde que, por indicação médica, o levam ao ar puro da serra da Arrábida no concelho de Setúbal. Rodeado por todas as tonalidades de verde, com o mar ao fundo, escreve verdadeiros hinos à natureza e desenvolve uma consciência ambiental. Em defesa do seu “paraíso” que começava a ser destruído pelo asfalto das estradas, funda em 1948 a Liga para a Proteção da Natureza, a primeira associação ambientalista portuguesa.

O poeta de Azeitão morre aos 28 anos, vitima de tuberculose, deixando uma obra vasta e coerente: «Pelo sonho é que vamos», «Serra- Mãe»,”Loas a Nossa Senhora da Arrábida” e o «O segredo é amar» são obras  que revelam um autor único que privilegia a relação com o divino.

Ficha Técnica

  • Título: Biosfera
  • Tipo: Extrato de Programa
  • Produção: Farol de Ideias
  • Ano: 2006

A RTP utiliza cookies no seu sítio para lhe proporcionar uma experiência mais agradável e personalizada. Consulte a nossa Política de Privacidade.