Pesquisar

O Tratado de Zamora

Nos dias 4 e 5 de outubro de 1143 teve lugar na cidade de Zamora uma cimeira que reuniu Afonso VII, rei da Galiza, Castela e Leão, e o seu primo Afonso Henriques, Conde de Portucale. O encontro destinou-se a resolver os conflitos que se arrastavam há algum tempo entre as duas partes.

Estavam em causa as ações de D. Afonso Henriques, que se intitulava “rei” e aproveitava a instabilidade política para alargar os seus territórios, fazendo inclusivamente incursões militares na Galiza.

A ameaça de uma guerra iminente na parte ocidental da Península Ibérica levou à intervenção do então o cardeal Guido de Vico, em representação do papa, e foi ele que conseguiu resolver a disputa de forma pacífica.

Nos termos do acordo assinado em Zamora, no dia 5, Afonso VII reconheceu a D. Afonso Henriques o título de rei mas este, em troca, declarou-se seu vassalo, enquanto imperador da Hispânia.

 

  • Como conseguiu D. Afonso Henriques alcançar este estatuto? 

D, Afonso Henriques possuía duas qualidades fundamentais para atingir o sucesso político no contexto da época: era um excelente líder militar e possuía grande habilidade diplomática.

É evidente que o sucesso da emancipação de Portugal, como reino independente, dependia das circunstâncias e das conjunturas, mas D. Afonso Henriques e os seus conselheiros souberam aproveitá-las com máximo proveito.

Em primeiro lugar, o sucesso da guerra contra os muçulmanos era essencial; foi por isso que a batalha de Ourique, ocorrida alguns anos antes, foi um marco decisivo.

Afonso VII podia ser imperador, mas D. Afonso Henriques era a vanguarda da guerra contra o islão, o que lhe concedia sucesso e prestígio. Por outro lado, D. Afonso sabia escolher os momentos exatos para fazer a paz e a guerra ao rei de Leão, manobrando de forma hábil para obter o maior proveito.

Em Zamora, Afonso VII ter-se-á rendido à evidência de que era conveniente ceder e resolver o conflito de imediato, pensando talvez que mais tarde a situação pudesse ser revertida a seu favor.

 

  • Pode-se dizer que Portugal é independente desde então? 

O tratado de Zamora é uma data da maior importância para a identidade nacional de Portugal, uma vez que assinala um momento decisivo da sua emancipação de Castela e da sua formação como país independente.

De facto, é muito comum ser assinalado como a data do nascimento de Portugal. Há, no entanto, que enquadrá-la no contexto da época. Na realidade, o reconhecimento do título de “rei” a D. Afonso Henriques não significava exatamente “independência”, porque esse reconhecimento podia ser revertido e anulado, caso fosse oportuno.

D. Afonso Henriques sabia que este primeiro passo era frágil e que a sua consolidação passava pelo reconhecimento das instâncias internacionais daquela época, ou seja, da Santa Sé.

Foi por isso que se declarou imediatamente vassalo do papa. O reconhecimento demorou várias décadas e só deu frutos em 1179, com a emissão da bula Manifestis Probatum. Pode, portanto, dizer-se que só nesta altura é que a independência de Portugal ficou verdadeiramente consolidada.

Ouça aqui outros episódios do programa Dias da História

  • Temas: História
  • Ensino: 2º Ciclo, 3º Ciclo, Ensino Secundário

Ficha Técnica

  • Título: Os Dias da História - O Tratado de Zamora
  • Tipo: Programa
  • Autoria: Paulo Sousa Pinto
  • Produção: Antena 2
  • Ano: 2017
  • Imagem: Painel de Azulejos em Portimão

A RTP utiliza cookies no seu sítio para lhe proporcionar uma experiência mais agradável e personalizada. Saiba mais aqui