Florbela Espanca: superlativas emoções
Ensino:

A imensidade do amor cabe num verso de Florbela Espanca. Sentimento absoluto e vital que a impulsiona e lhe condena a existência em desilusões constantes. Na obra composta sobretudo por sonetos, confessa-se esta vida. Que foi e ainda é objeto de culto.

Florbela Espanca viveu uma vida infeliz, de amores atribulados e desgostos violentos, como o suicídio do único irmão. No amor e na Dor – com maiúscula, como por vezes escreve – encontra a inspiração “pura e perfeita” que a fazem única e especial na literatura portuguesa do início do século XX.

A “poesia viva” de Florbela Espanca
Veja Também

A “poesia viva” de Florbela Espanca

Na intimidade do verso idealiza sentimentos, confessa mágoas e assume a sua sexualidade num erotismo sem precedentes. No entender do escritor Mário Cláudio, “esta mulher que vivia as emoções de forma superlativa” vai abrir caminho a outras vozes femininas.

Desde o primeiro título – “Livro de Mágoas”- , publicado em 1919, até ao póstumo “Charneca em Flor”, transparece o seu conhecimento dos poetas e escritores portugueses. Nas suas leituras estão António Nobre, Antero de Quental, Teixeira de Pascoaes, Camões, entre tantos outros. Na  curta vida que teve (1849-1930) Florbela fez mais de 200 sonetos, “versos de uma fúria inaudita”, como os caracterizou um dia, Jorge de Sena.

 

“Amor é um fogo que arde sem se ver”, de Luís de Camões
Veja Também

“Amor é um fogo que arde sem se ver”, de Luís de Camões

António Nobre: a dimensão da prosa na poesia
Veja Também

António Nobre: a dimensão da prosa na poesia

 

 

 

Temas

Ficha Técnica

  • Título: Ler+ ler melhor - Florbela Espanca
  • Tipologia: Extrato de Programa
  • Produção: Filbox produções
  • Ano: 2011