José Saramago: quando a escrita mudou
Ensino:

Sempre escrevera conforme as regras da mais pura gramática. A narrativa corria ao ritmo da vírgula, do ponto, com o travessão a identificar o interlocutor no diálogo. Mas um dia, de repente, sem saber como, a pontuação ausentou-se das palavras e José Saramago percebeu que ganhara a voz dos contadores de histórias. Por isso recebeu um coro de críticas, mas também por isso o Nobel da Literatura ficou ainda mais inconfundível.

E um dia José Saramago reinventou a sua escrita. Aconteceu quando trabalhava no romance “Levantado do Chão”. De repente as palavras não “tinham pressa de chegar”, o discurso ordenava-se naturalmente, sem seguir as regras da pontuação. Foi de repente e sem ser pensado, conta o escritor durante a entrevista a Ana Sousa Dias. Percebeu que tinha encontrado a sua voz, e construiu todos os futuros romances nessa singular oralidade, usando apenas a vírgula e o ponto, sinais de pausa, como lhes chama. As exceções são duas páginas breves de “As Intermitências da Morte”.

José Saramago sobre “As Intermitências da Morte”
Veja Também

José Saramago sobre “As Intermitências da Morte”

O autor, ele mesmo, recorda esse momento único em que os seus parágrafos começaram a ser corridos, “um fluxo verbal” que parecia música. Era a redescoberta da cadência dos contadores da tradição popular; “a imprimir ao discurso escrito o ritmo do discurso oral”.

“Memorial do Convento”, de José Saramago
Veja Também

“Memorial do Convento”, de José Saramago

Temas

Ficha Técnica

  • Título: Por Outro Lado
  • Tipologia: Extrato de Programa - Entrevista a José Saramago, Prémio Nobel da Literatura
  • Autoria: Ana Sousa Dias
  • Produção: RTP
  • Ano: 2005