O Concílio de Trento e o Barroco
Ensino:

Na segunda metade do século XVI a Igreja Romana vivia uma das piores crises de sempre. O movimento protestante provocara a primeira grande divisão do cristianismo ocidental. Era urgente uma reforma profunda e o Papa convocou um Concílio que duraria 18 anos.

Havia uma crise de fé que já preocupava a Igreja quando Martinho Lutero cometeu “a heresia” de pôr em causa a maior parte dos cânones católicos. O movimento iniciado na Alemanha por este teólogo alemão, contestava ferozmente o papado mas, na verdade, as críticas ao comportamento corrupto e abusivo do clero tinham começado nos finais da Idade Média. Aos olhos dos fiéis, estes homens que se diziam de Deus viviam no vício e no luxo, como qualquer outro mortal abastado. Erasmo de Roterdão foi um dos clérigos a condenar todos os papas que facilmente trocavam a doutrina cristã pelas riquezas terrenas.

Foi este crescente desagrado que originou no século XVI o grande cisma entre os cristãos do ocidente. Os seguidores de Lutero desviaram-se do catolicismo e fizeram a sua reforma. Queriam renovar a Igreja, fazer uma reinterpretação das Escrituras com rituais simplificados, sem imagens de santos ou indulgências para alcançar a salvação da alma. Os ideais religiosos depressa se espalharam pela Europa e o papa acabou por convocar uma reunião para Trento, cidade no norte de Itália. Porém, católicos e protestantes nunca chegariam a sentar-se à mesma mesa. A divisão estava consumada.

Martinho Lutero e o início da Reforma Protestante
Veja Também

Martinho Lutero e o início da Reforma Protestante

À chamada de Paulo III compareceram cardeais, arcebispos, bispos, gerais de ordens e teólogos que no dia 13 de dezembro de 1545 iniciaram o décimo nono concílio ecuménico. Deste encontro, interrompido diversas vezes por causa das guerras na Europa – e por isso só terminado em 1563 -, saíram as linhas da Contrarreforma católica: mais doutrina, mais disciplina e uma redefinição dos dogmas da fé. Algumas das decisões ali tomadas ainda hoje se mantêm.

Aos fiéis, a mensagem de Trento chegaria de uma forma mais direta, sensorial e sedutora. As Igrejas vestiram-se de talha dourada, cheias de altares e retábulos cobertos de santos e outros símbolos religiosos que prendiam o olhar e convidavam à veneração de novos e velhos crentes. O Barroco foi assim a propaganda mais eficaz do catolicismo contra os avanços do Protestantismo. No Mosteiro de Tibães encontramos um exemplo.

Um exemplo do rococó no Mosteiro de Tibães
Veja Também

Um exemplo do rococó no Mosteiro de Tibães

O Presépio da Basílica da Estrela
Veja Também

O Presépio da Basílica da Estrela

 

Temas

Ficha Técnica

  • Título: Visita Guiada - Mosteiro de Tibães, Braga
  • Tipologia: Extrato de Programa Cultural
  • Autoria: Paula Moura Pinheiro
  • Produção: RTP
  • Ano: 2014