Pesquisar

O Regresso dos Castores

O poder da natureza revela-se insuperável. Surgindo condições, a vida pode mesmo voltar aonde parecia ter desaparecido para sempre. Dois séculos depois de terem sido dizimados no Luxemburgo, os castores estão de volta. Para os seus trabalhos de construção, mas também como percursores de toda uma nova biodiversidade nas áreas onde estão a instalar-se.

No século XIX, estes roedores foram caçados até à extinção na zona que é hoje o Luxemburgo, ainda o grão-ducado não era independente. Os agricultores não queriam os terrenos inundados, outros vendiam a sua valiosa pele e até uma das suas segregações corporais era usada pelos farmacêuticos. Morreram todos. Não só ali como em quase toda a Europa. Até agora.

Os diques feitos de árvores cortadas com os seus poderosos dentes estão a dar ao Luxemburgo, não apenas novos contornos paisagísticos, mas a criação de condições para todo um novo ecossistema. Anfíbios nunca por ali vistos, insetos vindos de outras paragens, aves e peixes e toda uma panóplia de plantas que não existiam no país vivem agora junto às colónias dos castores.

O triunfo ecológico é tal que se suspeita que da mesma forma que os castores voltaram, estão agora eles a criar condições para o regresso de outras espécies: o lobo e a lontra. Os castores estão protegidos pela Diretiva Europeia Habitat de 1992. Os biólogos consideram-nos uma das espécies-chave do continente europeu precisamente porque a sua presença cria lugares de grande biodiversidade.

Ficha Técnica

  • Título: De Lisboa a Estocolmo - episódio 6
  • Tipo: Reportagem
  • Autoria: Filipe Pinto / Filipe Valente
  • Produção: RTP
  • Ano: 2021

A RTP utiliza cookies no seu sítio para lhe proporcionar uma experiência mais agradável e personalizada. Saiba mais aqui