Pesquisar

Quarenta anos de guerra em Angola

Em Angola a guerra começou no princípio dos anos 60, contra a colonização, e continuou após a independência, entre grupos rivais que não chegaram a um entendimento quanto ao futuro político do país.

A luta armada pela independência do país começou em 4 de fevereiro 1961, com um ataque á prisão da capital que tinha por objetivo libertar presos políticos detidos naquelas instalações. Aconteceram também ataques sangrentos e massacres em quintas e aldeias noutros pontos de Angola.

Encontramos a combater as tropas portuguesas a UNITA (União Nacional pela Libertação Total de Angola), o MPLA (Movimento Popular para Libertação de Angola) e a FNLA (Frente Nacional para a Libertação de Angola). Na sequência da revolução de 25 de Abril de 1974, Portugal concedeu a independência a todas as colónias, com Angola a içar a sua bandeira a 11 de Novembro de 1975, depois da assinatura do Acordo de Alvor.

Os três grupos, que dividiram o país por zonas de influência, entraram em confronto entre si, desencadeando uma guerra civil que se estendeu pelas décadas seguintes. A FNLA abandonou a luta armada mais tarde, mas a UNITA continuou a combater o governo de partido único, liderado pelo MPLA.

A esperança de paz renasceu em 1991 com a assinatura, entre MPLA e UNITA, do Acordo de Bicesse, mas depois das eleições terem dado a vitória ao MPLA de José Eduardo dos Santos, o líder da UNITA, Jonas Savimbi, regressou ao confronto armado.

Em 1994 nova possibilidade de paz com a assinatura do Protocolo de Lusaca, mas a esperança durou pouco tempo.

Os confrontos militares só terminariam em 2002 com a morte, em combate, de Jonas Savimbi.

Ficha Técnica

  • Título: Retrospetiva histórica do conflito Angolano
  • Tipo: Reportagem
  • Autoria: Carla Adão
  • Produção: RTP
  • Ano: 2002

A RTP utiliza cookies no seu sítio para lhe proporcionar uma experiência mais agradável e personalizada. Saiba mais aqui