Explicador Explicador
Diferença entre orações completivas e orações relativas
Diferença entre orações completivas e orações relativas
Ensino:

Sabes qual é a diferença o pronome relativo QUE e a conjunção integrante QUE? Como se distinguem as orações relativas e as orações completivas? Para percebermos a diferença entre as orações relativas e as orações completivas, importa conhecer as características entre o pronome relativo QUE e a conjunção integrante QUE. Vamos a isso!

PRONOME RELATIVO QUE

•     Desempenha uma função sintática e introduz uma oração relativa.
     Pode ser substituído por outro relativo, nomeadamente o/a qual, os/as quais.
     Segue sempre um nome, quase sempre concreto.
•     A oração que introduz pode ser omitida sem que a frase fique incorreta.

CONJUNÇÃO INTEGRANTE QUE

     Não desempenha uma função sintática e introduz uma oração completiva.
•     Não pode ser substituído pelo relativo o/a qual, os/as quais.
•     Completa o sentido de um verbo, de um nome (normalmente abstrato), ou de um adjetivo, daí a designação integrante (integra = completa)
•     A oração que introduz não pode ser omitida.

Observa os seguintes exemplos:

(1) A vizinha apanhou as crianças que tocaram à campainha.
(2) A vizinha tem a certeza de que tocaram à campainha.

Na frase (1), QUE é um pronome relativo, e na frase (2), QUE é uma conjunção integrante. Podemos comprovar esta afirmação através dos seguintes testes sintáticos:

– Teste da substituição por o/a qual, os/as quais:

(a) A vizinha apanhou as crianças as quais tocaram à campainha.
(b) A vizinha tem a certeza de as quais tocaram à campainha.

Este teste mostra-nos que, uma vez que podemos substituir a palavra QUE pelo relativo QUAL na frase (a), então, trata-se de um pronome relativo, logo, a oração que introduz é uma oração relativa. Pelo contrário, na frase (b) não é possível substituir a palavra QUE pelo relativo QUAL, pelo que se conclui que não se trata de uma oração relativa.

– Teste da omissão:

(c) A vizinha apanhou as crianças. (frase correta)
(d) A vizinha tem a certeza de. (frase incorreta)

Este teste mostra-nos que, uma vez que podemos omitir a oração que tocaram à campainha na frase (c), estamos perante uma oração relativa. Pelo contrário, na frase (d) não é possível omitir essa oração, pelo que se conclui que se trata de uma oração completiva.

“Ter a ver” e “ter que ver”: qual das expressões devemos usar?
Veja Também

“Ter a ver” e “ter que ver”: qual das expressões devemos usar?

Classes de palavras
Explicador

Classes de palavras

Temas

Ficha Técnica

  • Título: Diferença entre orações completivas e orações relativas
  • Área Pedagógica: Gramática
  • Tipologia: Explicador
  • Autoria: Sandra Duarte Tavares
  • Ano: 2022