Geoparque Açores

Faial, o mar e o chão dos Capelinhos

Senhora de uma paisagem singular nos Açores - a da negritude do chão dos Capelinhos -, a Ilha do Faial conta também histórias de baleeiros, faz o ninho a aves marinhas e alberga a mais jovem caldeira de todo o arquipélago que, com cerca de mil anos, abriga dois terços da flora endémica dos Açores.

O Faial é a ilha mais ocidental do grupo central açoriano e a que se encontra mais próxima da Crista Média Atlântica (cordilheira submarina que se estende sob o Oceano Atlântico e o Ártico). O seu vulcanismo está relacionado com dois grandes edifícios centrais no território, o Vulcão da Ribeirinha e o Vulcão da Caldeira e também por duas áreas de vulcanismo basáltico fissural: a Península do Capelo e zona da Horta.

Outra das paisagens faialenses de grande destaque é o Graben de Porto Miguel, uma das principais estruturas tectónicas dos Açores, que se apresenta num relevo em degraus. Há aqui nove geossítios de reconhecido valor, não só pela sua importância geológica, mas também pela biodiversidade, com destaque para zonas de nidificação de aves marinhas, como é o caso do Morro Castelo Branco, ou mesmo das áreas submarinas com grande atividade hidrotermal.

Parque Natural do Faial
Veja Também

Parque Natural do Faial

Duas erupções marcam a história da ilha dos últimos séculos: em 1672/3, a do Mistério da Praia do Norte, e a dos Capelinhos, em 1957/8. Nos Açores, continuam ativos 26 vulcões, oito deles submarinos. E, das nove ilhas do arquipélago, só em Santa Maria não há qualquer registo de atividade vulcânica.

Centro de Interpretação do Vulcão e Farol da Ponta dos Capelinhos

A erupção dos Capelinhos, em meados do século XX, tornou-se um marco histórico na vulcanologia mundial. Nunca, até então, se tinha observado e documentado do princípio ao fim este tipo de manifestação: um vulcão que começou no mar e terminou em terra. Esteve mais de um ano em atividade e acrescentou à ilha quase dois quilómetros e meio de extensão (parte já se perdeu, entretanto, por força da erosão).

Iniciou-se no meio do oceano, frente ao farol da ilha, com a emissão de cinzas e vapor de água. As explosões sucederam-se e o vulcão emergiu como Ilha Nova. Afundou-se e voltou a ressurgir em múltiplas explosões de lava, criando dimensão para se juntar ao Faial num território único. Toda a zona foi devastada, ficou deserta e despovoada. Sobreviveu o farol que hoje pontua a paisagem inóspita, juntamente com o Centro de Interpretação dos Capelinhos – um bunker no chão de lava.

História de um vulcão
Veja Também

História de um vulcão

Geossítios da Ilha do Faial

  • Caldeira
  • Graben de Pedro Miguel
  • Monte da Guia e Porto Pim
  • Morro do Castelo Branco
  • Península do Capelo
  • Vulcão dos Capelinhos e Costado da Nau
  • Arriba fóssil da Praia do Norte
  • Arriba fóssil do Varadouro
  • Ponta Furada

Temas

Ficha Técnica

  • Título: Geoparque Açores - Episódio 2
  • Tipologia: Extrato de Documentário
  • Produção: MEDIA 9
  • Ano: 2018