O claustro renascentista do Convento de Cristo
Ensino:

Muita história condensa este Convento de Cristo que demorou seis séculos a construir. Por vontades soberanas combina diferentes estilos artísticos e é isso que o faz Património Mundial. Um dos tesouros é o Claustro Principal, obra-prima do renascimento.

No alto do monte que se debruça sobre a cidade de Tomar, erguem-se castelo e convento, construções sólidas que defenderam as terras resgatadas aos mouros entre os rios Tejo e o Mondego. Os cavaleiros da Ordem dos Templários garantiram a segurança dos cristãos e ficaram responsáveis pelo povoamento da zona. Quase duzentos anos depois, o convento ficou a pertencer à Ordem de Cristo, tutelada pelo infante D. Henrique uma das mais importantes dinamizadoras da empresa das descobertas. Basta pensar que era a Cruz de Cristo era o seu símbolo, adornando as velas das naus que andavam nos mares.

Infante D. Henrique nomeado Administrador da Ordem de Cristo
Veja Também

Infante D. Henrique nomeado Administrador da Ordem de Cristo

Toda esta passagem do tempo que vai do século XII ao século XVIII é visível no complexo e labiríntico monumento, onde as pedras mais parecem capítulos de um manual de arquitetura. Do Românico ao Gótico flamejante, passando pelo Manuelino e Renascimento, os contrastes são abissais e evidenciam diferentes épocas, diferentes estilos e o poder ilimitado dos reis, que nas sucessivas encomendas acompanhavam tendências e gravavam a sua visão de Portugal no mundo.

Convento de Cristo, uma janela para o Mundo
Veja Também

Convento de Cristo, uma janela para o Mundo

Atentemos pois numa dessas obras, que ganhou reputação de ser uma das mais belas da arquitetura renascentista europeia: o Claustro Principal. Mas o que foi primeiro feito não é o que vemos hoje. Este claustro tem uma história de contornos pouco claros. D. João III, o rei que o encomendara a João de Castilho, ordenou depois a sua destruição parcial para o reformular numa geometria da antiguidade clássica  projetada por Diogo de Torralva.

Com o país a atravessar uma crise económica, não podia tratar-se apenas de um devaneio real, acredita-se que o monarca teve a nítida perceção que a obra ia ficar para a posteridade. O Claustro de D. João III tem a coragem de romper com as conceções excessivas do estilo Manuelino para se aproximar das composições harmoniosas e austeras que floresciam então em Itália e França.

Arte Manuelina
Veja Também

Arte Manuelina

Propomos uma visita a este Claustro guiada pela jornalista Paula Moura Pinheiro e pelo arquiteto João Paulo Martins.

 

 

Temas

Ficha Técnica

  • Título: Visita Guiada - Convento de Cristo, Tomar
  • Tipologia: Documentário
  • Autoria: Paula Moura Pinheiro
  • Produção: RTP2
  • Ano: 2014