Pesquisar

Quanto açúcar consomes por dia?

Engana-se quem pensa que o que é doce nunca amargou. O açúcar é um dos grandes vilões dos nossos dias, responsável por um sem número de doenças. Tem uma particularidade que o torna quase imbatível: a camuflagem. Além de existir nas mais variadas formas, esconde-se em quase todos os alimentos. Naturais e processados.

A nutricionista Sónia Marcelo mostra-nos um exemplo prático do consumo excessivo de açúcar. Mesmo quando pensamos fazer uma alimentação equilibrada, o resultado pode ser surpreendente, facto a que não serão alheios os dados que revelam que a população portuguesa tem tendência para doenças associadas à alimentação. Já em 2016, a DGS (Direcção-Geral da Saúde) apontava a relação com a comida como causa para metade dos casos de doença e de morte no país.

O problema é que para além de causarem doenças, como a diabetes, quando ingeridos em excesso, os açúcares também alimentam outras. As células cancerígenas, por exemplo, têm capacidade de absorver mais glucose do que as células saudáveis. Além disso, temos a obesidade e as doenças cardiovasculares no topo da tabela.

Se pensa que reconhece o vilão com facilidade, sugerimos o dicionário quando for ler os rótulos: ele é branco, amarelo, invertido, mascavado, de palma, de coco, de tâmara e de beterraba. Aparece designado como glicose, glucose, sacarose, frutose, maltose, lactose, dextrose, malto-dextrinas. Surge em xarope de açúcar, de milho, de agave, de arroz, melaço e mel. Pode ainda reconhecê-lo nas expressões  aspartame, sorbotol, xilitol, sacarina, ciclamato de sódio, sucralose, stevia. São açúcares naturais e sintéticos, todos eles são hidratos de carbono.

Ficha Técnica

  • Título: LInha da Frente - Quando o Açucar Amarga, temporada 22, episódio 21
  • Tipo: Programa
  • Autoria: Mafalda Gameiro / Pedro Boa-Alma / Vanessa Brízido
  • Produção: RTP
  • Ano: 2020

A RTP utiliza cookies no seu sítio para lhe proporcionar uma experiência mais agradável e personalizada. Saiba mais aqui