Pesquisar

Ainda há vida na charneca

A aldeia da Comenda, no Alto Alentejo, é um exemplo peremptório do despovoamento acelerado que se regista no interior de Portugal desde as últimas décadas do século XX. Nesta freguesia, ao mesmo tempo que os habitantes vivem entre funerais e memórias de outros tempos, está em marcha um projeto no qual, entre escrita e fotografias, se reconstroem as histórias das famílias locais. Antes que a história acabe.

Em seis décadas, a escola da Comenda, no distrito de Portalegre, passou de 120 para três alunos. Na aldeia ouvem-se cada vez menos vozes e multiplicam-se as placas de venda de casas onde há muito já não mora ninguém. As gerações mais novas deslocaram-se para o litoral ou para os centros urbanos e os que restam vivem, sobretudo, de memórias e das visitas dos familiares, nas férias de verão e no Natal.

O médico e escritor Jorge Branco leva a cabo, nesta aldeia do Alto Alentejo, um projeto-piloto que visa estudar e preservar a história e a memória coletiva da localidade, numa altura em que a região perde uma média de 10 pessoas por dia. Um dado que preconiza um futuro de ainda mais despovoamento para o interior de Portugal, já que se estima a perda de 2,5 milhões de pessoas nas próximas décadas. Além do envelhecimento acelerado da população que, como referem os dados estatísticos da União Europeia, em meados do século XX

A história das gentes da Comenda está a ser compilada para memória futura através da digitalização de fotografias e das entrevistas feitas aos que ainda se lembram das diferenças que o  passar dos anos acentuou. Mais de 100 famílias participam neste projeto, nomeadamente através da doação de espólios. Esta freguesia do Gavião teve o seu primeiro grande corte populacional nos anos 50 e 60 do século XX, com uma uma vaga de emigração da qual nunca recuperou e depois dos anos 80 foi sempre a descrescer, desde que fechou a última indústria de madeira.

Os benefícios conseguidos para as infraestruturas, com fundos da União Europeia, colocaram a aldeia da Comenda no mapa das estradas de Portugal, mas isso não se reflectiu em qualquer tipo de crescimento. Nem económico, nem social. Esta é uma das muitas aldeias do Alentejo que se estima fique desabitada na segunda metade do século XXI.

Ficha Técnica

  • Título: Linha da Frente - Ainda há Vida na Charneca
  • Tipo: Reportagem
  • Autoria: Sandra Vindeirinho / Pedro Mateus / Sérgio Ramos / Carlos Pinota / Pedro Pessoa
  • Produção: RTP
  • Ano: 2019

A RTP utiliza cookies no seu sítio para lhe proporcionar uma experiência mais agradável e personalizada. Saiba mais aqui