“Esteiros”, de Soeiro Pereira Gomes
Ensino:

A história de cinco meninos que trabalham em vez de ir à escola tece o enredo da obra-prima de Soeiro Pereira Gomes. A miséria retratada em "Esteiros" é muito mais do que ficção, é a realidade de um país pobre, sem esperança, onde mais de metade da população não sabe ler nem escrever.

Da janela do quarto, Soeiro Pereira Gomes observava a luta trágica dos operários para sobreviver. Entre os homens havia crianças em idade de aprender as primeiras letras. Recolhiam o barro dos estreitos canais do rio Tejo, os esteiros, para dele fazerem telhas e tijolos. Trabalhavam a troco de um salário miserável, que os condenava à mendicidade, a uma vida sem saída da pobreza. O autor via tudo da janela da sua casa, em Alhandra, e refletia sobre a injustiça de uma sociedade opressora e exploradora, organizada em favor dos mais fortes. Em vez de calar, prefere denunciar com palavras e outros atos de resistência ao regime de Salazar.

Publicado em 1941, “Esteiros”, tem personagens inspiradas na realidade: Gaitinhas, Guedelhas, Gineto, Maquineta e Sagui, são “os filhos dos homens que nunca foram meninos”, dedicatória do autor a abrir o romance. A obra, uma das mais emblemáticas do movimento neorrealista português, é escrita numa linguagem acessível mas cuidada, com frases simples, privilegiando o discurso direto para dar voz aos oprimidos. A 1.ª edição tem capa e ilustrações de Álvaro Cunhal, o histórico fundador do PCP, o partido comunista português ao qual o escritor aderira em 1937.

Soeiro Pereira Gomes passa a infância no Douro, estuda em Coimbra, trabalha um ano em Angola e, finalmente, fixa residência na vila de Alhandra, onde decorre a ação deste seu primeiro romance. Antes, em 1931, escrevera o conto “O Capataz” mas a censura impede a publicação. Ele próprio é, de certa forma, um operário; trabalha nos escritórios de uma fábrica de cimento e conhece bem as condições desumanas praticadas naquela unidade fabril.

Por essa altura colabora em jornais e revistas,  desenvolve atividades culturais, cria bibliotecas, ensina ginástica aos filhos dos operários e empenha-se na construção de uma piscina pública. Depois de liderar o movimento grevista da fábrica Cimento Tejo de Alhandra, é obrigado a passar à clandestinidade e afastar-se para sempre da sua mulher, entretanto presa pela PIDE para o obrigar a entregar-se.

Prisão do Aljube: a tortura passou por aqui
Veja Também

Prisão do Aljube: a tortura passou por aqui

O romancista militante, apanhado pela morte aos 40 anos, deixa uma obra breve, mas marcante: dois romances  – “Engrenagem” e “Esteiros”- , um livro de contos – “Contos Vermelhos”- , crónicas e contos avulsos que foram sendo publicados. A produção literária é todavia suficiente para fazer de Soeiro Pereira Gomes (1909-19499) um dos nomes maiores do neorrealismo português.

Neorrealismo na arte portuguesa
Veja Também

Neorrealismo na arte portuguesa

“Uma Abelha na Chuva”, de Carlos de Oliveira
Veja Também

“Uma Abelha na Chuva”, de Carlos de Oliveira

Temas

Ficha Técnica

  • Título: Grandes Livros - "Esteiros" de Soeiro Pereira Gomes
  • Tipologia: Documentário
  • Produção: Companhia de Ideias
  • Ano: 2010