Neorrealismo na arte portuguesa
Ensino:

Na pintura, na literatura, no cinema, o Neorrealismo é um agente provocador mas com sentido ético e humanitário. O movimento, oposto do idealismo, serve para denunciar e intervir, mostrar a realidade sem filtros. Chegou a Portugal no início dos anos 40.

O Neorrealismo começou a ganhar forma no período entre as duas grandes guerras mundiais. Na Europa e nas Américas, os artistas focam-se no homem comum, querem saber como vivem operários e camponeses, escrutinar as injustiças, analisar o modelo social vigente, sem lirismos ou idealismos. Na pintura o traço é rude, nalguns casos a tender para o modernismo; a literatura depurada, seca e descritiva, enquanto o registo cinematográfico se faz numa aproximação à objetividade da reportagem.

Em Portugal foram muitos os cultivadores deste movimento que afrontava o regime fascista e era amplamente divulgado em revistas específicas como a Seara Nova. Os murais mexicanos, as obras de Jorge Amado ou Manuel da Bandeira, o cinema italiano, chegaram para despertar a consciência do mundo à volta, abordando temas sociais intocáveis até então. “A ambição era de criar uma arte nova”, diz neste documentário Mário Dionísio, escritor e artista plástico, que recorda também a dificuldade dos artistas em expor os trabalhos, perseguidos muitos pela polícia da ditadura.

Um dos quadros mais simbólicos produzido nesse período pertence a Júlio Pomar, o “Almoço do Trolha”, pintura-manifesto que ilustra este artigo e que mostra uma família operária, duas figuras sombrias e cansadas, apenas no rosto do filho incide a luz da esperança, o futuro que os pobres, principalmente eles, queriam que fosse melhor.

A aventura artística de Júlio Pomar
Veja Também

A aventura artística de Júlio Pomar

Da mesma perseguição da PIDE foram vítimas autores de romances, entendidos como demasiado realistas pela censura: alguns foram presos e as obras proibidas. Os primeiros romancistas a ensaiarem as letras na análise social foram Alves Redol com “Gaibéus” (autor que estava na lista negra da polícia do estado), e Ferreira de Castro com “Emigrantes e “A Selva”. Na época, houve escritores que fizeram experiências na sétima arte, um contributo sublinhado por José Matos Cruz, crítico de cinema, no trabalho produzido pela RTP, em 1983.

Ferreira de Castro tem uma casa-museu em Sintra
Veja Também

Ferreira de Castro tem uma casa-museu em Sintra

Os painéis de Almada Negreiros que afrontaram o Estado Novo
Veja Também

Os painéis de Almada Negreiros que afrontaram o Estado Novo

Temas

Ficha Técnica

  • Título: Portugal Contemporâneo - A Arte Possível
  • Tipologia: Extrato de Documentário Cultural
  • Produção: RTP
  • Ano: 1983